Quem diria? Nós do Maciço…

Era o dia 3 de dezembro do ano passado, 2015. Viajávamos de Vargem Grande ao Palácio Guanabara nas Laranjeiras. Como sempre que nos encontramos, em meio aos nossos risos e alegrias surgem as conversas mais densas. Como diz o Jorge Cardia, “quando junta três já vira reunião”. E, como co-autora ouso transgredir a linguagem: isso… Continuar lendo Quem diria? Nós do Maciço…

A salada de frutas do Gegê e a “banana do morro”

O economista Gegê: Boa é a banana do morro!

Hoje tive o prazer de conhecer o Gegê. Ele vende salada de frutas e sorvetes na Praça Seca, ao lado da Caixa Econômica. Em nossa conversa, ele conta que é economista e até se aventurou em uma pós-graduação no CPDA/UFRRJ, mas o trabalho não permitiu levar o projeto adiante. Seu carrinho é extremamente organizado, as… Continuar lendo A salada de frutas do Gegê e a “banana do morro”

Um mergulho na cultura culinária tradicional

Maraci Soares; acervo próprio

Maraci Soares, culinarista, artesã, militante dos movimentos sociais apresenta um debate extremamente contemporâneo. Como se alimentavam nossas avós? Questiona assim os padrões atuais de adoecimento relacionado à alimentação praticada hoje. Nesta direção propõe um “mergulho lá no fundo de nossa cultura e das nossas raízes” para redescobrir a alimentação. Sabiamente traz o perfil arquitetônico das… Continuar lendo Um mergulho na cultura culinária tradicional

Vila Autódromo: Terra para morar e plantar

Sandra Regina, moradora de Vila Autódromo falando do alimento produzido na comunidade

Há muitos argumentos para a permanência de Vila Autódromo em seu local de origem. Poderíamos elencar mais de uma dezena de pontos a favor da resistência das suas moradoras e de seus moradores. Não é a intenção desse texto além de recordar que elxs tem a posse legal de seus imóveis e sua reivindicação de… Continuar lendo Vila Autódromo: Terra para morar e plantar

Cozinhar como ação cultural

Maraci Soares, uma das responsáveis pela ação local.

Nos últimos 10 anos, nós perdemos a conta das vezes em que estivemos as duas envolvidas com o planejamento e o preparo de alimento para grupos. Passamos juntas por experiências de providenciar comida de verdade para encontros de 30 e até duzentas pessoas. Muitas vezes, ao redor da mesa, a conversa se voltava para o alimento, sua… Continuar lendo Cozinhar como ação cultural